segunda-feira, 17 de julho de 2017

Tom Savini deixa uma linda mensagem sobre George A. Romero



Tom Savini publicou em seu perfil pessoal no Facebook uma breve mensagem sobre George A. Romero, seu amigo e parceiro de realizações de longa data, falecido recentemente aos 77 anos de idade.

"When I did a special effect on a George Romero set....I would make a chirping cricket noise. If George made the same cricket noise back, i knew he loved it, it worked and we could move on, after laughing our asses off. That's how we communicated...with lots of laughing. When we first met i was auditioning for him and made him laugh. That laugh....that laugh came from the center of the earth. We laughed through almost fifty years and nine movies. I will miss that laugh, and my friend. More than that he was a big teddy bear. You loved hugging him cause he made a noise, a happy loving noise, as he squeezed the breath out of you. I will miss that hug. I will miss everything about him. There is a light in the galaxy that has gone out and can't be replaced. Normally you would say "Ah but we have sweet memories"....in this case those that knew him have a lot more...it's molecular...it's a part of us...he is in us...he made so much of what we are."

Texto traduzido
Quando eu criava algum efeito especial no set do George Romero... Eu fazia uns ruídos tagarelas parecidos com de um grilo. Se George me fizesse o mesmo ruído de volta, eu sabia que ele havia amado o que fiz, que havia funcionado e que nós podíamos seguir adiante, depois de rirmos juntos pra cacete sempre. Era assim que nos comunicávamos ... com muita risada. Quando nos conhecemos, eu estava fazendo uma audição para ele e o fiz rir. Aquela risada ... foi uma risada que veio do centro da terra. Nós rimos juntos durante quase cinquenta anos e após nove filmes juntos. Sinto falta daquela risada e do meu amigo.

Mais do que isso, ele era um grande urso de pelúcia. Você adoraria abraçá-lo porque ele fazia um ruído feliz de ternura, enquanto espremia a sua respiração toda. Eu sentirei falta daquele abraço. Eu sentirei falta de tudo sobre ele. Há uma luz na galáxia que se foi e não poderá ser substituída. Normalmente, você diria "Ah, mas temos boas lembranças" .... neste caso, aqueles que o conheceram têm muito mais ... é molecular ... já é parte de nós ... ele está em nós ... Ele fez tudo aquilo que somos.

Compartilhe:

domingo, 16 de julho de 2017

O mestre George A. Romero falece, aos 77 anos de idade



O cineasta George Andrew Romero, vulgo George Romero, pai de criação dos zumbis modernos, hoje tão presentes no cinema e na televisão pelo mundo à fora, e também criador da franquia de uma das franquias clássicas do gênero de terror de "Noite dos Mortos-Vivos", morreu aos 77 anos de idade, segundo uma informação vinda de sua própria família e amigo.



Romero faleceu hoje (domingo, 16) enquanto dormia, após uma "breve, porém agressiva batalha contra um câncer de pulmão", de acordo com uma declaração fornecida ao The Times, por seu parceiro produtor de longa data, Peter Grunwald.

Romero faleceu enquanto ouvia a trilha sonora de um de seus filmes favoritos, "Depois do Vendaval" (The Quiet Man) de 1952, com sua esposa, Suzanne Desrocher Romero, e sua filha, Tina Romero, ambas ao seu lado, foi o que disse a família ao veículo de informação.




George Romero foi um dos grandes mestres do gênero de Terror no cinema. Revolucionário, em criações praticamente experimentais para a época, desde o final da década de 60, se manteve na ativa até muito pouco tempo atrás, trazendo diversas realizações, sempre tentando criar algo novo.

Sempre será responsável por influenciar toda uma geração de cineastas e cinéfilos ao gênero, e também pela criação de algumas das coisas mais legais no gênero como foi o caso de "Creepshow - Show de Horrores" — onde esteve ao lado de Stephen King e Richard P. Rubinstein, e posteriormente, "Dois Olhos Satânicos" (1990), com o também lendário, Dario Argento.

RIP ROMERO
Seu legado será eternamente lembrado entre nós :'(



Fonte e matéria original: LA. TIMES

Compartilhe:

quinta-feira, 6 de abril de 2017

O novo superbox da franquia "Fantasma", apresentado especialmente por Don Coscarelli!



Os sempre sedentos fãs de terror clássico, setentista e oitentista de todo o mundo agora tem um novo superlançamento em altíssima definição e qualidade: O Super Box da franquia "Fantasma". Uma franquia amada e respeitada em todo o mundo por entre os fãs do gênero, com seu filme original responsável por grandes méritos dentro do cinema independente de terror no final dos anos 70, agora está completamente remasterizado e disponível em excelente formato, definição e em tudo que se refere aos acabamentos.

Divulgado excepcionalmente através de uma live pela página do Phantasm no Facebook, o box traz novas artes com belíssimos desenhos, estas já previamente divulgadas via vendas online/on demand (como pelo iTunes por exemplo); Um super-cartaz com duas opções de arte (frente e verso) para quadro ou moldura, fora uma lindíssima caixa e um box com os 5 filmes (incluso o tristonho Ravager) em Blurays com outras opções, também, de arte frente-verso, com um maravilhoso folheto especial e novos comentários em áudio nos extras.

*Infelizmente as de frente não tem arte propriamente, na minha opinião, um erro.

Já está disponível na pré-venda online, sem legendas em PT-BR.
Disponível à partir de 11 de Abril de 2017.

Confiram no vídeo abaixo — sem legendas:

Compartilhe:

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Memorabília: William Friedkin queria que Tangerine Dream fizesse a OST do "Exorcista"


William Friedkin e Edgar Froese (finado líder do TD)

Não é novidade pra muita gente, mas muitos outros também não sabem disso, mas William Friedkin gostou tanto do som da banda pioneira de eletrônico, Tangerine Dream, que chegou a afirmar que, se tivesse conhecido a banda antes, usaria para fazer a trilha sonora original do seu grande clássico, "O Exorcista". A afirmação vem da contra-capa do vinil de "Comboio do Medo", filme feito poucos anos após Exorcista, que é basicamente uma obra audiovisual imprescindível, que sem a trilha sonora do TD, não teria sido nada do que é.

Agora, você já imaginou Exorcista com trilha do Tangerine Dream?! Eu arrisco dizer que teria sido ainda melhor!



Segue a tradução de sua própria afirmação:

"A música do Tangerine Dream foi uma enorme e prévia inspiração para o filme Comboio do Medo. Eu primeiramente ouvi o Tangerine Dream enquanto estava em Munique (Alemanha) para uma cerimônia do O Exorcista. Se eu tivesse tomado conhecimento da banda antes, teria pedido para eles fazerem a trilha original daquele filme.

Um ano depois, nos conhecemos em Paris. Eu falei à eles sobre o enredo do filme e entreguei-los um script. Levou mais de dois anos para filmar o Comboio do Medo. Um dia, no meio da floresta primitiva da República Dominicana, com algo em torno de seis meses de filmagem, um tape chegou da banda, contendo noventa minutos de 'impressões musicais'. E é desse tape que o filme tirou sua trilha sonora, apesar dos músicos que fizeram as trilhas, nem antes ou mesmo agora, terem tido contato direto com qualquer trecho do filme.

Ainda assim, de alguma forma, eles foram capazes de compreender a atmosfera e anuência de qualquer momento onde suas músicas são ouvidas.

O filme e a trilha sonora são inseparáveis." William Friedkin
Compartilhe:

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

A fantástica e sensacional arte cadavérica de Chris Peters



Biografia oficial:

Chris Peters é um artista de Los Angeles, ele se especializou na conceituada Gage Academy of Art, onde estudou por três anos no programa de técnicas de pintura acadêmica.

Chris Peters Paintings

O sr. Peters, além de pintor, tem também alguns curtíssimas, mas é famoso por sua arte em quadros excepcionais de arte moderna surrealista, que pode ser encontrados em galerias expostas nas cidades de Santa Barbara, Santa Monica, Santa Fe, ou mesmo Nova Iorque, nos Estados Unidos.

All my Love


Los Angeles

Orthographic Skulls


The Two Comedians

The Great Divide

Stranger In The Mirror

In The Blink Of An Eye

Clear Blue Water

Sleep


Grace


To Love and Protect


The Promise


Pray for Us


To The Last Breath


Nothing Else Matters

Dead man's Hand

To Hold you again


Hope


Fonte: Site oficial
Imagens: Pinterest / site oficial
Confira mais imagens aqui
Compartilhe:

sábado, 1 de outubro de 2016

Minha lista pessoal de filmes de terror!



Tô montando uma lista nova no Filmow, "Terror seleto" (pretensioso, é), com os melhores filmes de terror que eu conheço. Organizando aos poucos, se quiserem, fiquem a vontade pra sugerir filmes, falar que a lista ficou péssima, tanto faz...

Eis a minha lista pessoal de filmes prediletos dentro do gênero de terror (e suspense/thriller/sci-fi, etc). Tentei não debandar pro Trash - embora tenha alguma coisa, depois faço outra lista só com as tranqueiras mais divertidas para vocês que curtem e acham divertido. Valeu!

VEJAM AQUI
Compartilhe:

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Exemplo da obra de arte em um filme de expressionismo alemão dos anos 70, "Vampira"!



Um dos motivos pelo qual nós sempre prestamos tributo ao terror clássico e antigo... A arte em sua forma de expressão mais honesta e sincera, dando um belo de um foda-se pra viés de bilheteria, marketing e popularidade (porque isso é transitório num filme - apesar de tudo, e tem que ser secundário) mas fincado sua percepção com uma preocupação em como será eternizado na história da arte criativa (se é verdade que a arte é mais que uma extensão da mente, mas - de alguma forma - um estado da alma), algo que, infelizmente, às vezes parece esquecido no tempo em comparação com os dias atuais onde há uma necessidade burra prevalecendo no gênero de terror, que é, fazer quem assiste dar pulinhos de susto seja como for, principalmente com sensacionalismo barato e superestimado (com exceções de filmes atuais como "A Bruxa", entre outros poucos).

Essa compilação editada de cenas é uma boa demonstração disso. Trechos de um raríssimo filme influenciado pelo movimento de expressionismo alemão, chamado "Vampira", exibido pela TV alemã ocidental em 1971, e hoje praticamente esquecido. O grupo TANGERINE DREAM fez uma trilha sonora original, excepcional como sempre.

Em suma, deixo isto aqui só como uma forma de reflexão, a Alemanha, a despeito de todos os conflitos e problemas anteriores e atuais - que perduram, é uma nação que está anos luz a frente da linguagem cultural de países como o nosso, uma prova rápida disso é o simples fato de um filme como esse ser exibido em pleno TV aberta, na época. E isso não é o antônimo de uma crítica construtiva, espero que realmente possamos - algum dia, copiá-los nesse aspecto de valor a arte em seus mais puros sentidos, além de pretensiosismos baratos.

Compartilhe:

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Mais um que se vai: Herschell Gordon Lewis!



Herschell Gordon Lewis (diretor de 'Banquete de Sangue', 'Maníacos', 'The Wizard of Gore') se foi, mas o pai do Gore deixa sua marca muito bem guardada na história do cinema de terror, se teve um cara que foi revolucionário no terror, esse cara é Lewis, de forma brilhante. Lewis era sócio-fundador do site/distribuidora de exploitation, Something Weird, fundada nos anos 90.

A notícia de sua morte foi anunciada oficialmente atrás do Something Weird, no Facebook. Ele morreu nesta segunda-feira (26/09), em Fort Lauderdale, na Flórida - EUA, após uma longa luta contra o câncer de pulmão.

Falamos pouco sobre ele e seus filmes aqui na página, mas falaremos ainda, aguardem.

RIP Herschell Lewis
Compartilhe:

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Confira o vídeo de homenagem da TCM à Vincent Price, por John Waters! (LEG.)



O mês de Outubro de 2013 foi de tributo ao Vincent Price, no canal TCM (original). Em homenagem ao ano que faria 102 anos, se estivesse vivo. Price ganhou uma exibição de diversos de seus filmes, sempre às quintas, e como chamada, este pequeno documentário maravilhoso, narrado por John Waters (diretor de Pink Flamengos, Mondo Trasho), fã convicto do Price.


Compartilhe:

Tributo à Angus scrimm é feito na exibição do "Phantasm: Remaster", em Nova Iorque! (LEG.)



Foi feito um pequeno tributo ao Angus Scrimm ontem (25/09, segunda-feira), no evento do Phantasm: Remastered on Art House Theater Day, antes da exibição do filme remasterizado. Um trecho gravado e postado na internet mostrou cenas inéditas do Phantasm Ravager que estreou hoje, mas que em especial, trouxe uma emocionante homenagem, que deixo neste vídeo. Tudo indica que esse vídeo estará como bônus no blu-ray do filme.


Link do vídeo original.
Compartilhe:

domingo, 25 de setembro de 2016

"Phantasm: Remaster" ganha sua maior exibição e amanhã é estréia do Ravager!



Hoje o foi dia foi de exibição do "Phantasm" (1979) versão remasterizada, exibido pelo evento Phantasm: Remastered on Art House Theater Day, no cinema Alamo Drafthouse Yonkers em Nova Iorque. A principal exibição do filme até o momento, com direito a prévia exclusiva do Phantasm Ravager e elenco do filme, sem se falar nas transmissões, brindando os fãs com perguntas e respostas do próprio Don Coscarelli. Amanhã o espetáculo fica por conta da premiere do tão aguardado, Ravager, e daqui há 10 dias estréia via streaming na plataforma de Video on Demand (online).

Compartilhe:

Stephen King faz palestra na Biblioteca do Congresso Nacional dos EUA! (LEG.)



Disponibilizei com legendas, um pequeno trecho da palestra (de mais de 1 hora) concedida pelo Stephen King no National Book Festival, evento realizado na Biblioteca do Congresso nacional, em Washington (capital, EUA). Tudo foi transmitido ao vivo via streaming pela página do The Library of Congress, hoje pela manhã. Somente mais uma prestação de tributo e reconhecimento ao respeitado trabalho de King em todos esses anos, como escritor, e um dos novos nomes da atualidade, já considerados imortalizados na literatura.
 

Vocês podem conferir na íntegra aqui (sem legendas).
Compartilhe:

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Os brilhantes mapas dos Estados Unidos e Europa representados por filmes de terror!



Um usuário do imgur publicou algo muito curioso: Todos os estados dos Estados Unidos da América com suas respectivas localidades e estados e dando uma referência de vários grandes filmes de terror foram filmados, uma em cada estado.

Isso me deu a ideia de fazer esta postagem, é sempre interessante conhecer sobre esse tipo de coisa, e olhando por esses mapas temos uma percepção diferente, mais próxima, de alguma forma. Bem curioso pela trivia, fora casos peculiares de obviedades como Texas Chainsaw Massacre, que todos sabem onde foi feito, é legal conhecê-los dessa outra maneira. Confira:

*Vou deixar um mapa com os nomes dos estados abaixo.






E se você pretende visitar lá... Cuidado!




No entanto, essa ideia de um mapa com filmes de terror não é tão nova. Há um tempo atrás alguém do blog Reddit postou um super-mapa com diversos filmes do gênero por estado, você pode confirir aqui o PDF original em alta qualidade. Ou, caso prefira, clicar na imagem abaixo, para abrir uma nova janela.



E para finalizar essa postagem, vou deixar aqui também um excelente mapa feito pelo site HORROR ON SCREEN, com outra edição que só dessa vez com os estados europeus. A imagem original e em alta definição, vocês encontram aí no link.



Compartilhe:

Crítica: Bruxa de Blair (2016); Muito marketing, pouco medo


Publicada originalmente no blog parceiro Imagem-Câmera.

Preparando o terreno

Desde o lançamento do original A Bruxa de Blair (The Blair Witch Project, dirigido por Daniel Myrick e Eduardo Sánchez) em 1999, uma nova forma de fazer filmes e um novo tipo de experiência para o espectador tem sido amplamente produzidos: são os chamados Found Footages (algo como fitas/gravações perdidas, em português).

Não faltam tentativas de trazer maior credibilidade ao espectador, em termos da imagem-câmera – um conceito que pego de Fernão Ramos sobre imagens de documentários, relativo ao momento de circunstância da tomada e à capacidade que esse tipo de imagem tem de levar o espectador a esse momento.

Alguns recursos foram bacanas ao longo do tempo, em filme bem sucedidos como REC (Jaume Balagueró, 2007), por exemplo, ou somente estratégias criativas como a de colocar a câmera em um ventilador rotativo, para ver o que está rolando com as aparições sobrenaturais, em Atividade Paranormal II (Tod Williams, 2010), (que por si só não é um filme bom, mas contém estratégias interessantes). Mais recentemente, o terror israelense Jeruzalem (The PAZ Brothers, 2015) utiliza o Google Glass como ferramenta última na busca de uma credível imagem-câmera. É um pouco disso que me faz ficar ligadas nosfound footages, sempre tentando identificar estratégias e inovações criativas.

Para obter resultados interessantes, pagamos preços altíssimos. São muitos filmes entediantes, nos quais “nada acontece”, com uma câmera de baixíssima qualidade, muito tremida e amadora, o que acaba espantando uma grande parte dos espectadores do gênero terror. É uma relação semelhante aos filmes de Rob Zombie: ou se ama, ou se odeia.

É de se perceber e tem sido muito comentado o atual marketing em torno de terrores recentes, por acabarem decepcionando os espectadores fiéis ao gênero. E esse já tinha sido um medo em relação ao Bruxa de Blair (Blair Witch) lançado essa semana no Brasil. Se no original a jogada do marketing havia sido interessante pela inovação do filme, aqui ela acaba gerando aquela desconfiança e ponto. (No cinema estavam vendendo broches do filme).  Não foi diferente com o Bruxa de Blair, – dirigido por Adam Wingard: o filme é bem decepcionante, até mesmo em termo de novos dispositivos criativos.

Tenho percebido uma tendência chata nos últimos dez anos em Hollywood: um número altíssimo de remakes, reboots e revivals. Alguns bem sucedidos – normalmente aqueles que apelam pelofeeling do original, como Star Wars – alguns de dar vontade de chorar, como Carrie (Kimberly Peirce, 2013) e Evil Dead (Fede Alvarez, 2013).

Ingenuamente, ou simplesmente por querer muito que fosse bom, acabei esperando demais do terceiro filme da Bruxa de Blair.

giphy

Sobre o filme (spoiler free)

A premissa nada original de “estou fazendo um documentário para minha aula de documentário” é o que leva à existência das imagens de Blair Witch. Muito bem equipada, a estudante Lisa, que está dirigindo o filme, possui uma câmera fotográfica digital no estilo das Canon T5i, algumas câmeras auriculares, GoPro e até um drone. Walkie talkies e GPS também estão nos equipamentos que são levados para a floresta.

O documentário será sobre a busca por Heather, a irmã de James, amigo da documentarista. Um vídeo que foi subido no Youtube mostra o conteúdo de uma fita encontrada na floresta onde o primeiro filme ocorreu. Lisa, James e um casal de amigos resolvem acampar no local e realizar a busca. Lá se juntam ao casal que achou a fita e fez seu upload.

Até o meio do filme: apresentação dos personagens, dos materiais de filmagem, (que geram mudanças nítidas na qualidade da imagem de uma câmera para a outra), e um pouquinho de jump scare bobinhos. Uma hora de filme se passa e tudo bem boring, nem uma aceleração nos meus batimentos, nem uma vontade de apertar a mão do meu marido.

De repente, após estarem acampados na floresta, as coisas efetivamente começam a acontecer. Um tanto de merda devoodoo, uma ferida no pé bizarra (a parte mais aflitiva para mim), e umas outras situações que eram para ser terrorentas, mas não são.

O tempo todo o filme controla os fatores que entrarão para causar reviravoltas no plot. Seja a separação de um casal do grupo ou o drone, você já sabe o que esperar para o resto do filme.
Caminhando para o final, algo que também tem sido recorrente em alguns filmes recentes, principalmente de found footage: uma aceleração no ritmo do filme, quase como se estivessem com pressa para acabar. (E eu bem que estava torcendo para acabar logo!).

O final causou um cadinho de incômodo, muito mais por um elemento de claustrofobia do que de medo. A revelação que ocorre nos últimos minutos é até bacaninha, mas nada que nos faça falar “uau, brain fuck, incrível, nossa, que filme bom”. Saí do cinema decepcionada e sem esperanças no que pode vir daqui para a frente em termos de found footage. Sugiro não gastar dinheiro com os preços abusivos dos ingressos, mas esperar chegar no Popocorn Time ou no Netflix.
Compartilhe:

Abertas as inscrições para o Festival MORCE-GO VERMELHO — Goiás Horror Film Festival!



O QUE É O FESTIVAL MORCE-GO

O MORCE-GO VERMELHO – GOIÁS HORROR FILM FESTIVAL – é um festival independente de filmes categoria, terror, suspense e horror no cinema no coração do Brasil, que terá obras audiovisuais contemporâneas e ligadas às temáticas do terror, suspense e horror. O Festival poderá ter produções de ficção, experimental e animação além de oficinas e debates no Cine Cultura e na Vila Cultural Cora Coralina em Goiânia nos dias 29 e 30 de outubro.

O objetivo é estimular e promover produções goianas, brasileiras e de todas as partes do mundo para cinéfilos amantes de filmes de terror, suspense e horror exibindo o que há de mais criativo nas produções independentes de curta metragens em mostra competitiva e longas metragens convidados. Haverá mostras competitivas de filmes realizados em Goiás, Brasil e no exterior além de uma mostra paralela de longa e curta metragens. Os visitantes do festival terão muitas surpresas nas atividades que serão oferecidas durante o evento que promete celebrar o Halloween no calor do Centro-Oeste com cinema, estilo e diversão.

PARTICIPE, VOCÊ TAMBÉM

O período de inscrições será do dia 12 de julho a a 01 de outubro de 2016. O participante deverá realizar todo o procedimento em nossa página de inscrições  e também nas plataformas FESTHOME e FilmFreeWay. A lista dos selecionados será no dia 10 de outubro.

São aceitos filmes de até 25 minutos nacionais e estrangeiros  realizados a partir de 2013 nas categorias ficção, documentário e ficção. O festival acontecerá na véspera do Halloween nos dias 29 e 30 de outubro de 2016 no Cine Cultura e na Vila Cultural em Goiânia-GO.



PRÊMIOS E INDICAÇÕES

Os filmes serão premiados com o troféu MORCE-GO VERMELHO de acordo com as categorias:

  • Melhor Curta-metragem Goiano
  • Melhor Curta-metragem Nacional
  • Melhor Curta-metragem Estrangeiro
  • Melhor Curta-metragem Nacional (Júri de Público)
  • Melhor Atuação
  • Melhor Roteiro
  • Melhor Diretor
  • Menção Honrosa


A programação de longas convidados consiste de grandes produções nacionais de cineastas renomados como Rodrigo Aragão com sua trilogia do terror A Noite dos Chupas Cabras, Mangue Negro e Mar Negro. Os filmes A Capital dos Mortos 1 e 2 do cineasta brasiliense Tiago Belotti e dos produtores Rodrigo Huagha e Tiago Esmerald além do filme "Condado Macabro" de André de Campos Mello e Marcos DeBrito exibido em vários festivais de cinema, eleito Melhor Filme no Fantaspoa além de longas do cineasta e até coletâneas de terror como o longa Contos da Morte composto por 12 curta metragens de terror.

O festival também contará com debates e atividades como a Oficina de Produção Cinematográfica Independente com com os realizadores brasilienses Rodrigo Huagha e Gustavo Serrate, da produtora Cine 81, sobre como produzir um filme de baixíssimo orçamento e concurso de caracterização de fantasias de Halloween com direito a festa de Halloween no dia 29 após a exibição no The Dark Side Rock Bar onde os caracterizados terão direito ao drink Dark Side gratuitamente.

 O MORCE-GO VERMELHO GOIAS FILM FESTIVAL  promete uma programação "assustadora" com produções do mundo todo para os fãs goias de filmes de terror e suspense e terá uma programação intensa com entrada franca.

MAIORES INFORMAÇÕES
Serviço: 
MORCE-GO GOIÁS HORROR FILM FESTIVAL
Site: www.morcegovermelhofestival.com.br (clique para conhecer)
Inscrições: Site ou plataforma Festhome/ Filmfreeway
Informações: Ivan Martins (62) 98545-0805
contato@morcegovermelhofestival.com.br
Compartilhe: